segunda-feira, 13 de junho de 2016

Agradecer

Um dia desses, me peguei rindo ao lembrar de risadas que demos juntos. Nem lembrava mais como era a leveza da felicidade nas coisas simples, achei justo agradecer por isso. Acho incrível esse poder que você tem de me tirar qualquer peso das costas, de transformar tudo em algo que não merece tanto stress, tanta preocupação... queria mais gente assim por perto. Gente que esfrega na minha cara que se eu não me levar a sério, as coisas fluem melhor. Gente que tira a lupa da paranoia da minha mão, pra eu poder enxergar os problemas do tamanho que eles realmente são. Gente que vive com o espírito desarmado, me dando exemplo e mostrando como as coisas podem ser descomplicadas. Não conheço muita gente assim, foi por isso que resolvi agradecer, pra você não esquecer que isso é maravilhoso e raro, que isso é o que você tem de melhor, e que desperta o que há de melhor em mim. Agradecer  por isso é uma forma de retribuir. Obrigada por me dar mais (c)alma.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Das incertezas

Pra mim, sabedoria é lidar com o tempo. É preciso aprender com ele e entender que o momento certo sempre existe, mas temos que saber identificá-lo. Aos poucos, a gente vai ficando mais esperto ou menos ansioso, e começa a pegar o jeito. O tempo me ensinou a não colecionar aquele monte de certezas que a pressa e a impaciência da adolescência nos dão. As certezas nos paralisam, as incertezas estimulam o movimento. Quando você acha que já sabe demais ou conhece o bastante qualquer coisa, lugar ou situação, limita suas possibilidades. É na incerteza que a gente quer conhecer mais. E quanto mais buscamos saber, mais nos damos conta do quanto ainda não sabemos, e vemos como há tanto a aprender, fazer e viver. Só a incerteza nos faz descobrir mais possibilidades, nos dá o direito de errar, tentar novamente até acertar. A incerteza ensina muito sobre maleabilidade, adaptação, desapego e perdão (aos outros e a nós mesmos). Difícil é conseguir enxergar a linha tênue que separa a incerteza da insegurança, mas talvez essa seja só mais uma questão de tempo, não tenho certeza. Ainda bem.

sábado, 5 de dezembro de 2015

♫Hello...

Sabe o que foi? Meu horóscopo disse que eu deveria me reaproximar de alguém que já foi muito importante pra mim, liguei por isso. E sei que você atendeu por saber que é querido. Sim, ainda é, mas nem sei se isso é bom ou ruim, porque hoje em dia, simplesmente tanto faz. Mas que bom falar com você e saber que o nosso senso de humor ainda é igual e ainda sabemos exatamente o que o outro vai responder. A vida sem você? Tá seguindo, exatamente como a sua sem mim. Às vezes eu sinto sua falta, principalmente quando tô com preguiça de conversar. Era bom ter alguém me entendendo sempre só pelo olhar. Saudade de verdade eu tenho de mim, de como eu era mais leve com você por perto. Mas que bom ver que você está bem, seguindo aqueles planos todos que 
vi bem no comecinho. Eu sempre soube como seria, só não imaginei que não acompanharia. Siga bem, saiba que hoje você é uma lembrança quase sempre feliz.Lamento só pela minha boa memória, que nunca vai deixar você voltar a ser o cara importante, porque quando lembro de você, lembro também do que me fez. Pois bem, agora que  já segui o conselho astral (pois é, certas coisas não mudam e eu continuo lendo o Personare), vamos deixar a vida seguir o fluxo. Que seja tudo como tiver que ser, e que a gente receba o que tem feito por merecer. É, é o meu jeitinho de dizer pra pensar melhor no que faz... falei que certas coisas não mudam, né?

domingo, 29 de dezembro de 2013

XI - Não prometerás.

Minha promessa pra 2014 é não prometer.
Vou me esforçar pra ser mais paciente, pra entender mais as pessoas, mesmo sem concordar com elas, e tentar aceitar, mesmo quando não entender. Quero reclamar cada vez menos e fazer bem mais, e ao invés de procurar a origem de todos os problemas, resolvê-los, e pronto. Quero continuar fazendo o que puder pra ajudar, e em caso de falta de reconhecimento, aprender a superar. Quero fazer a minha parte, e ter a consciência sempre tranquila. Quero estar atenta pra identificar oportunidades, e saber aproveitá-las. E continuar cuidando da minha vida, com o desapego necessário pra levar comigo só o que for bom, e me fizer bem. Segurar forte a mão de quem vem comigo, e só gastar meu tempo com o que valer a pena e puder dar certo. Vou fazer a minha parte, vou tentar de verdade, porque de promessas, os anos anteriores estavam cheios.
Pra mim, pra você, e pra todo mundo, quero saúde, sabedoria e sossego. E que sejamos coerentes, desejando as coisas, e agindo pra que elas aconteçam.
Feliz atitude nova em 2014, pra mudar o que não deu certo em 2013. Aí sim, vai ser Ano Novo.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

"Por isso, não se esqueça: dói"

Essas cicatrizes? São a minha história. São elas que me lembram todo dia de onde eu vim, por onde eu passei até chegar aqui, e quem veio comigo. E são elas me fazem permanecer com os pés no chão. Fica mais difícil esquecer uma dor quando ela está ali, marcada. Não, eu não sei quantos pontos são, mas pra cada um, eu posso contar uma coisa da minha vida que você nunca vai saber, na prática, como é. E essas expostas na pele são só uma parte, por dentro tem mais, muito mais. E de tanto cicatrizar, aprendi a fechar todas as feridas, fiquei tão boa nisso que às vezes não dá tempo nem de sangrar. Uma hora ou outra, assim como a dor, você também vai passar,e minhas cicatrizes vão permanecer no mesmo lugar, pra eu não esquecer o que é que dói de verdade.

domingo, 6 de janeiro de 2013

Você não é Caveira.

Sente aqui e olhe na minha cara. Tá olhando? Agora diga que vai embora. Depois pode virar as costas e sair. Não quero nem saber dos seus motivos, não me explique nada. Só diga que vai embora, e saia daqui. Não precisa nem olhar pra trás, nem voltar nunca mais. Quero que você fique só o tempo que for suficiente pra dizer que não permanece aqui. Não saia escondido, como quem rouba. Fica feio pra você. Não suma, simplesmente, não quero achar que você é um grande filho da puta. Mesmo que você seja. Por mais que eu tenha me enganado a seu respeito, não me deixe pensar que você é um cretino. Seja um cretino inteligente, continue fazendo isso, mas não permita que eu faça propaganda ruim de você. Agora pode levantar e ir embora com suas razões, seu medo, sua falta de consideração e tudo mais. E tire essa roupa preta, que você é moleque.

sábado, 5 de janeiro de 2013

A luta, o luto

Não era isso que eu queria escrever pra você. Queria brincar que é mais fácil falar com o Papa, dizer que tô sofrida, e que se vendesse minha saudade, estaria rica. E dar risada do seu discurso sobre a vontade de ter mais tempo pra sua vida, e pra tudo e todo mundo que faz parte dela. Sim, eu estou com saudade, mas não tenho mais como falar nisso com você. Não dá mais pra brincar assim, porque agora é sério. Eu sei que dói muito, já vi isso uma vez de muito perto, mas ainda assim, não posso nem imaginar até onde vai o sofrimento. Queria poder dizer que vai passar. Mas eu sei que não vai. E essa dor sem nome que é só sua,  dói até em mim, porque não sei como ajudar logo a você, que sempre me ajudou. A sensação de incapacidade é das piores coisas da vida, mas também não vou falar disso com você. Aliás, nem vou falar mais nada, chegue aqui, tome um abraço. Pode ser agora, mais tarde, quando você quiser. Continuo onde sempre estive: ao seu lado.