domingo, 29 de dezembro de 2013

XI - Não prometerás.

Minha promessa pra 2014 é não prometer.
Vou me esforçar pra ser mais paciente, pra entender mais as pessoas, mesmo sem concordar com elas, e tentar aceitar, mesmo quando não entender. Quero reclamar cada vez menos e fazer bem mais, e ao invés de procurar a origem de todos os problemas, resolvê-los, e pronto. Quero continuar fazendo o que puder pra ajudar, e em caso de falta de reconhecimento, aprender a superar. Quero fazer a minha parte, e ter a consciência sempre tranquila. Quero estar atenta pra identificar oportunidades, e saber aproveitá-las. E continuar cuidando da minha vida, com o desapego necessário pra levar comigo só o que for bom, e me fizer bem. Segurar forte a mão de quem vem comigo, e só gastar meu tempo com o que valer a pena e puder dar certo. Vou fazer a minha parte, vou tentar de verdade, porque de promessas, os anos anteriores estavam cheios.
Pra mim, pra você, e pra todo mundo, quero saúde, sabedoria e sossego. E que sejamos coerentes, desejando as coisas, e agindo pra que elas aconteçam.
Feliz atitude nova em 2014, pra mudar o que não deu certo em 2013. Aí sim, vai ser Ano Novo.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

"Por isso, não se esqueça: dói"

Essas cicatrizes? São a minha história. São elas que me lembram todo dia de onde eu vim, por onde eu passei até chegar aqui, e quem veio comigo. E são elas me fazem permanecer com os pés no chão. Fica mais difícil esquecer uma dor quando ela está ali, marcada. Não, eu não sei quantos pontos são, mas pra cada um, eu posso contar uma coisa da minha vida que você nunca vai saber, na prática, como é. E essas expostas na pele são só uma parte, por dentro tem mais, muito mais. E de tanto cicatrizar, aprendi a fechar todas as feridas, fiquei tão boa nisso que às vezes não dá tempo nem de sangrar. Uma hora ou outra, assim como a dor, você também vai passar,e minhas cicatrizes vão permanecer no mesmo lugar, pra eu não esquecer o que é que dói de verdade.

domingo, 6 de janeiro de 2013

Você não é Caveira.

Sente aqui e olhe na minha cara. Tá olhando? Agora diga que vai embora. Depois pode virar as costas e sair. Não quero nem saber dos seus motivos, não me explique nada. Só diga que vai embora, e saia daqui. Não precisa nem olhar pra trás, nem voltar nunca mais. Quero que você fique só o tempo que for suficiente pra dizer que não permanece aqui. Não saia escondido, como quem rouba. Fica feio pra você. Não suma, simplesmente, não quero achar que você é um grande filho da puta. Mesmo que você seja. Por mais que eu tenha me enganado a seu respeito, não me deixe pensar que você é um cretino. Seja um cretino inteligente, continue fazendo isso, mas não permita que eu faça propaganda ruim de você. Agora pode levantar e ir embora com suas razões, seu medo, sua falta de consideração e tudo mais. E tire essa roupa preta, que você é moleque.

sábado, 5 de janeiro de 2013

A luta, o luto

Não era isso que eu queria escrever pra você. Queria brincar que é mais fácil falar com o Papa, dizer que tô sofrida, e que se vendesse minha saudade, estaria rica. E dar risada do seu discurso sobre a vontade de ter mais tempo pra sua vida, e pra tudo e todo mundo que faz parte dela. Sim, eu estou com saudade, mas não tenho mais como falar nisso com você. Não dá mais pra brincar assim, porque agora é sério. Eu sei que dói muito, já vi isso uma vez de muito perto, mas ainda assim, não posso nem imaginar até onde vai o sofrimento. Queria poder dizer que vai passar. Mas eu sei que não vai. E essa dor sem nome que é só sua,  dói até em mim, porque não sei como ajudar logo a você, que sempre me ajudou. A sensação de incapacidade é das piores coisas da vida, mas também não vou falar disso com você. Aliás, nem vou falar mais nada, chegue aqui, tome um abraço. Pode ser agora, mais tarde, quando você quiser. Continuo onde sempre estive: ao seu lado.

domingo, 30 de dezembro de 2012

Feliz Novo Fôlego


Pra 2013, desejo saúde, sossego, respeito e vontade sincera de fazer o melhor.
Desejo coerência, paciência e discernimento. E a capacidade de entender, relevar, e sempre que possível, esquecer. Humildade pra voltar atrás, pra pedir desculpas e tentar consertar os erros. Falar muito menos, ouvir bem mais. Sabedoria e serenidade pra lidar com a raiva, as decepções, mágoas e os sentimentos que possam fazer mal, aos outros e a mim. Força de vontade pra manter o foco. Coragem pra arriscar. Generosidade pra fazer sem esperar recompensa. E no caso de não conseguir ajudar, nunca atrapalhar.
Desejo pra mim e pra você, mais que qualquer coisa, boa vontade e disposição pra fazer tudo isso acontecer. :)

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

2012, noves fora

Coisa boa é olhar pra trás e não ter aresta pra aparar com ninguém. Ficou tudo muito bem resolvido nesse 2012 em que eu aprendi a falar menos, machucar menos, e assim, errar menos. Os amigos são poucos, aqueles mesmos de sempre, aqueles que vão me fazer sair virada na pantera pra defender qualquer causa deles. ♥ Ao meu redor, muita gente boa que me ajuda em tudo, ô sorte, que eu tenho. Os desafios foram novos, e o aprendizado tá só começando. Muita gente boa apareceu, cumpriu seu papel em minha vida, e passou. Aprendi de vez que não dá pra tentar fazer as pessoas ficarem só porque eu quero, elas é que precisam querer. Tô tendo boa vontade pra exercitar a paciência, e às vezes eu até tento gostar mais de gente. Não é uma tarefa fácil. Aprendi a esperar muito menos dos outros. E o mais importante: tenho tentado agradecer mais que reclamar. E entre erros e acertos, decepções e surpresas, o ano termina com saldo bem positivo. Quem diria, né? :)

domingo, 18 de novembro de 2012

Tempo Rei

Depois da quinta ou sexta dose, ele tira os sapatos, estica as pernas no colo dela, e esperando por uma massagem, conta como as coisas mudaram. Fala dos novos compromissos, do jeito diferente de encarar as coisas, das experiências recentes, dos próximos projetos. Entre uma risada e outra, passa a mão no cabelo que já começa a ficar branco. Mas nada na cena denuncia tanto a passagem do tempo, quanto a massagem nos pés, que nunca chegou.