sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Como sabotar um exame

A espirometria é um exame simples. Você põe um tubo na boca, inspira e expira com o máximo de profundidade que conseguir, em diferentes velocidades. Até aí, nada demais. Mas como as coisas mais toscas do mundo foram inventadas pra acontecer exatamente comigo, claro que isso não poderia ser tão fácil!
Lá estava eu, pronta para a tal espirometria. Sentada em postura correta, com o tubo na boca, e uma simpática técnica dando orientações e auxílio. Primeiro, era só expirar. E lá ia eu, soltando o ar na intensidade que ela mandava. "Mais rápido!!! Agora bem devagar..." . Uma, duas, cinco vezes. Tudo bem até que chegou a hora de inspirar. Empolgada como líder de torcida organizada em dia de jogo, a senhora me dava "incentivo" gritando: Chupa!!! Chupa com força!!! Chupa com toda a força!!! Vai, chupa tudo! Gritava alto, e eu tinha certeza que as pessoas do lado de fora da sala estavam ouvindo aquilo. E era impossível conseguir sugar o ar do jeito que ela queria, porque sempre vinha uma risada atrapalhar o processo. Foram 12 vezes. E em nenhuma eu consegui fazer direito. E ela a dizer que eu era "muito fraca". Pedi que ela me deixasse fazer sem os gritinhos de apoio, ela disse que já tinha muita experiência naquela função, e sabia que se não gritasse, ninguém se empenhava em "chupar direito".
Depois de muitas risadas e pensamentos toscos, saí da salinha de cabeça baixa, pra não ver os olhares curiosos das pessoas na sala de espera. Voltei pra casa rindo de mim, e pensando no resultado desse exame. Se meu fôlego já não é lá muito bom, imagine que beleza vai ser dessa vez...

P.S: Essa história só foi publicada atendendo a pedidos constantes de Alex.

Um comentário:

Tio Lillo disse...

KKKKKKKKKK
tia quem nunca passou contrangimentos fazendo algum exame?
Imagine o que aconteceu comigo quando fiz espermograma? E para rir muito. Nao do exame, mas de toda a situacao constrangedora.
*Sem acentos, digitado do celular.